A escassez de água é um tema preocupante para o futuro. Estima-se que atualmente mais de 2 bilhões de pessoas no mundo vivem sem água potável. A questão é que se não repensarmos hábitos, a escassez que hoje já é presente, pode se agravar ainda mais futuramente. Quando falamos em hábitos, logo pensamos em coisas do cotidiano, como a água que utilizamos para tomar banho, escovar os dentes, lavar o carro, preparar alimentos, etc. No entanto, além do uso da água para esse fim, existe um outro tipo de consumo: o indireto. Você já pensou na água utilizada para produzir e industrializar seus alimentos, eletrônicos e roupas? Por trás das cortinas dos processos de produção e do consumismo indiscriminado existem litros e litros de água utilizados para produzir diversos bens que usamos. Essa água que a gente não vê, mas que com certeza tem um custo para o mundo, é chamada de Água Virtual.

 Produtos usados no cotidiano, tanto necessários quanto desnecessários, são produzidos utilizando a tal água virtual:

A Water Footprint, principal fonte das informações acima, é uma organização que apresentou seu método na UNESCO para calcular a pegada hídrica, procedimento que considera a água virtual, de cada produto ou indivíduo. No seu site é possível ver o detalhamento das etapas de produção e de quanta  água é usada nessas etapas para produzir o determinado produto. Este método ajuda a identificar os pontos mais críticos dos processos de produção, o que pode promover melhorias em etapas específicas. 

Atualmente, estamos descartando mais água do que nunca: as embalagens, desde as que estão nos produtos que compramos nos mercados, quanto as que são utilizadas nos deliverys, requerem utilização de plástico e papel, e ambos levam muita água em sua composição, como mostra a imagem 2. É importante lembrar que além das embalagens,  os alimentos e objetos também necessitam de atenção quanto ao seu descarte, já  que descartá-los é também descartar a água embutida neles. Infelizmente, dos países da América Latina, o Brasil é líder na geração de resíduos e também no descarte irresponsável em locais impróprios, o que gera aumento nos impactos negativos tanto no desperdício de água, quanto na degradação ambiental devido ao descarte equivocado. 

Mas como tudo na vida, podemos implementar algumas mudanças em busca de um melhor cenário. Para além das medidas de evitar desperdício no consumo direto de água como escovar os dentes com as torneiras desligadas, reduzir o tempo de banho, lavar o carro e a calçada com balde em vez de mangueira, entre outras, têm as que refletem sobre  o consumo de água virtual. 

Ao contrário do que se parece, adotar medidas que ajudam a poupar a água virtual, não está atrelada somente à área de produção. Nós como consumidores podemos adotar hábitos também influentes, como por exemplo:

  • Reduzir o consumo de carne é uma grande ajuda! Você conhece a segunda sem carne?
  • Troque as garrafinhas descartáveis por uma mais resistente ou um eco copo que você pode abastecer sempre.
  • Repassar as roupas que você não usa mais, fazendo um bazar ou doando e substituir as idas ao shopping pelos brechós.
  • Peça deliverys com menos frequência, dando preferência às comidas feitas em casa. 
  • Frequente mais feiras do que supermercados, pois lá normalmente os produtos são frescos, produzidos localmente e sem embalagem.
  • Reutilize embalagens. Sabe aquele pote de sorvete? Você pode utilizá-lo como um recipiente para guardar coisas.
  • Reutilize restos de alimentos para fazer compostagem. 
  • Sabe aquelas folhas que foram usadas apenas de um lado e muitas vezes acabam sendo descartadas? Temos a saída: faça um eco caderno!
  • Separe corretamente os resíduos antes de descartá-los.
  • Evite o uso de embalagens como sacolas e sacos em mercados, utilize eco-bags
  • Substitua sua esponja por uma bucha vegetal, que além de não poluir a água com microplásticos, se decompõe naturalmente.

É válido lembrar que você não precisa fazer tudo, você precisa fazer o melhor que pode. 🙂

Pensando nisso, a EJESAM dispõe de serviços para combater a problemática, como o PGRS – Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos – necessário para o correto descarte de resíduos, a Captação da Água da Chuva, que consiste na captação e armazenamento de água, podendo ser revertida na irrigação e demais atividades, evitando desperdício de água potável, entre outros.  Você pode conhecer outras dicas práticas acessando o nosso conteúdo, com manual de sustentabilidade e o ebook “lidando com resíduos em tempos de pandemia”.

Outras Referências Bibliográficas usadas: 

Escrito por: Bárbara Girardi, Gabriel Limas e Larissa Martins

×

Olá!

Estamos aqui para qualquer dúvida, sugestão e/ou orçamento.

× Como podemos te ajudar?